Mitoloágil: A história do Elfo no “faked-kingdom”​ – Parte 01

Era uma vez em Agility World um minotauro e um sátiro a viver em plena harmonia no reino de Agile-Lândia…

O reino é governado pelo minotauro, que do púlpito real explana suas ordens e decisões para os súditos. O minotauro conta com a dedicação e a servidão do sátiro para executar as suas decisões na corte e pelas ruas da cidadela.

Um belo dia chegou à cidadela um elfo, com sua trouxinha de roupas, uma flauta mágica e muitas histórias vividas por ele em outros reinos.

O elfo estava com fome, sede mas também animado para conhecer o reino, os cidadãos e com isso ele foi direto para uma taberna. Ao chegar ao local, o elfo muito observador, prestou atenção nos grupos de pessoas que estavam a beber, se divertir, conversar e principalmente a reclamar do reino e de ordens que para eles, não faziam sentido, mas tinham que acatar, senão teriam punições severas pelo sátiro (em alguns casos pelo próprio minotauro).

Após alguns dias a viver numa hospedaria e a frequentar a taberna, o elfo já tinha algumas amizades. As conversas na taberna eram sobre as histórias do elfo em outros reinos que ele viveu. Reinos esses que eram governados e organizados em conjunto com o povo, com o foco no bem coletivo e não somente pelo bem do reinado. E muitos desses reinos tinham cidadãos comuns participando de reuniões, jantares e decisões junto com a corte real.

A cada dia que passava o elfo tinha mais amigos e contava mais histórias que começaram a ser contadas por outras pessoas em outras tabernas, hospedarias, nas feiras de rua e no reino todo. 

Até que um dia o governante (minotauro) falou para todo o reino, a apresentar mais ordens, impostos, mudanças no horário de trabalho (aumento da jornada laboral) e todos estavam a escutá-lo porém incomodados e com alguns burburinhos ao meio da multidão.

O minotauro estava a escutar o burburinho vindo da multidão e não se conteve: “o que está a ocorrer? Quem ousa falar ao mesmo tempo que o governante?”. – silêncio… – O regente voltou a explanar mais regras e imposições até que uma pessoa na multidão gritou: “qual a razão de termos que pagar mais impostos e trabalhar mais, se já estamos cansados e não sabemos o por que fazemos isso tudo para o reino?”. 

O minotauro ficou mudo e não acreditava no que estava a ver. O sátiro, incrédulo, deu um salto, subiu em um lugar com visão privilegiada e começou a procurar pelo insolente que teve a audácia de interromper o regente e ainda questionar suas decisões. Ao meio da multidão começou um alvoroço e o sátiro pôde perceber uma pessoa a correr, tentando fugir, mas não a tempo de ser reconhecido pelo braço direito do regente e pensou: “Maldito seja esse hobbit, já não é a primeira vez que ele cria confusões, mas será a última”.

O sátiro gritou ao seu exército: “prendam aquele hobbit, me tragam ele agora!”. E lá se foi o exército atrás do hobbit, que foi rapidamente capturado e escoltado até as prisões do castelo real.

O hobbit ficou em uma prisão e foi rapidamente interrogado pelo sátiro, que queria saber os motivos de tal insolência. Após muita pressão, o pobre hobbit disse: “eu só quero o bem do povo, menos injustiça e mais com sendo do reinado com os súditos…”.

“Insolente!“, disse o sátiro a completar na sequência: “Estás com sorte hoje e serei bondoso contigo. A partir de hoje estás banido do reino. Vá se embora e não volte nunca mais, VÁ!!!!”. E o hobbit correu pelos guetos escuros da cidadela rumo ao banimento.

No dia seguinte todo o reino estava estranho, num clima pesado e desconfiança. Todos queriam saber o destino do hobbit, que havia sumido repentinamente.O sátiro estava intrigado e queria saber quem tinha metido essas ideias parvas na cabeça do hobbit e com misso, se disfarçou e foi espreitar as ruas e tabernas da cidadela.

Ele andou, olhou, escutou, até que ao final da tarde parou em uma taberna para uma bebida e viu uma roda de pessoas a conversar. O sátiro chegou mais perto e ficou a escutar a conversa…

  • Soube que o hobbit foi banido, disse uma pessoa;
  • Foi sim, eu mesmo o ví a correr pelos guetos e a sair em direção à floresta, disse outro;
  • Isso não pode ficar assim, temos que fazer algo, disse o elfo…

O burburinho continuava, mas o sátiro saiu da taberna e correu para o castelo para contar tudo que tinha escutado ao minotauro, que ao saber de tudo ficou mais furioso ainda e ordenou: “prendam todos, descubram o que eles sabem e expulsem-os”.

Por algumas semanas o exército do minotauro ficou a repetir o procedimento de prender, descobrir e expulsar cidadãos até que pouco a pouco ninguém mais estava a reclamar e a paz tinha voltado ao reino. 

O que o minotauro e o sátiro não sabiam, é que alguns dias após ao banimento de alguns cidadãos o elfo alinhou um plano fabuloso com seus colegas e disse o elfo a eles:

  • Colegas, estou a organizar uma expedição com mais 5 pessoas para espreitar alguns rumores que escutei nas minhas andanças. soube que existe um reino bem próximo daqui que as pessoas estão felizes colaborando entre si e junto ao rei, governam a cidadela, tal qual outro sítio dantes visitado por mim.
  • Fiquem por aqui e aguentem firme, enviarei um emissário em breve para trazer notícias e quem sabe, vocês se juntarem a nós.
  • Adeus, fiquem bem e até breve

E o elfo se foi…. Passado alguns dias chegou o tão esperado emissário com excelentes notícias. Disse o emissário que tinham encontrado o tal reino, que era próximo, 2 dias de caminhada e que todos seriam bem vindos, caso quisessem lá viver.

O boato começou a correr, grupos de expedições começaram a ser criados e todos os dias muitas pessoas fugiam do reino, sem que o sátiro e minotauro se desse conta….

Após ser informado que o reino estava em paz, o minotauro novamente foi ao seu púlpito para discursar para os cidadãos, mas ao chegar lá, se deparou com o reino praticamente vazio e tinham somente ⅓ de público que estava acostumado a discursar.

Transtornado o minotauro questionado ao sátiro: “O que houve? Cadê a malta?!

E o sátiro, também perplexo respondeu: “não faço ideia meu senhor, mas vou descobrir.

O governante voltou aos seus aposentos e poucas horas depois voltou seu servo fiel a dizer: “Meu senhor, já sei o que aconteceu. O insolente do elfo envenenou a cabeça dos cidadãos e todos se foram, atrás do elfo para o reino ao lado.”

Mais uma vez possesso, o minotauro deu uma ordem ao sátiro: “Pois que comece a divulgar que estamos recebendo novos moradores no reino. Divulgue também que somos muito felizes, que o povo se sente representado pelos seus governantes e que suas vozes são ouvidas”.

O sátiro fez o que o senhor mandou e novos moradores começaram a chegar à cidadela, mas não por muito tempo…

E elfo? O que aconteceu com ele e seus colegas que fugiram para o reino da colaboração?

Queres participar da escrita desse conto? Aceda esse link e deixe suas sugestões que pode ser que sejam incorporadas e serás citado(a) como co-escritor.

Confira no próximo artigo do Mitoloágil – A história do Elfo e o faked-kingdom

Referências

Revisão: José Nicolau

Partilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Descobre todas as formações
que temos disponíveis.

Similar Posts

agile
José Nicolau

Qual a melhor Ferramenta?

Têm me posto esta questão: qual a melhor ferramenta ou qual a melhor ferramenta ágil? Ferramentas ágeis são como as métricas ágeis…. são apenas ferramentas

Ler mais »

Subescrever Newsletter

Your message was successfully sent