Como a má gestão pode aumentar o burnout nas empresas ou nas equipas.

O Burnout é um estado de cansaço físico e mental sentido no ambiente de trabalho. 

E isso é tão sério que nos impede de realizar as nossas tarefas, afeta a nossa memória e a nossa capacidade de concentração. Além disso, passamos a duvidar das nossas competências e sentimos uma necessidade de isolamento social.  

Sim, é mesmo verdade!

Ainda há falta de consenso em relação ao Burnout. Muitas pessoas classificam-no como um transtorno mental, mas não é.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), é muito claro que a Síndrome de Burnout ou síndrome do esgotamento mental não é uma doença, nem um transtorno mental, mas sim o resultado de uma exposição contínua a situações de stress no ambiente em que a pessoa está a desenvolver a sua atividade laboral.

E como é que a má gestão pode contribuir para esse estado de esgotamento mental?

Temos todas as ferramentas e informações para conduzir as equipas e produtos da melhor forma possível, posto isto, o que explica o aumento da insatisfação nas equipas? 

Não precisamos investigar muito para entender  que os maiores motivos da insatisfação são as longas e cansativas jornadas de trabalho, acúmulo de funções, desvalorização, julgamentos, cobranças excessivas, conflitos e agressões que contribuem para um clima organizacional tóxico, além de sucessivos assédios morais, chantagens emocionais e, na minha visão o fato das pessoas ainda serem tratadas como meros recursos,ou seja ainda são descartáveis e simplesmente substituíveis. 

O site Small Business Prices, em Março de 2021, analisou 26 países europeus e a sua experiência com Burnout.

Se voltarmos atrás na história, o famoso psicólogo Abraham Maslow elaborou a Teoria das Necessidades que, segundo ele, consiste em:

Uma vez satisfeitas as nossas necessidades básicas de sobrevivência e segurança, como comida e habitação, o nosso maior desejo é sentir que as nossas vidas têm importância, que podemos fazer diferença, que podemos contribuir para tornar o mundo um lugar melhor para as gerações atuais e futuras.

Todos queremos viver, amar e deixar um legado.  

  

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Abraham_Maslow

Fred Kofman, Coach Executivo e Consultor em Liderança e Cultura, fez uma boa comparação no seu livro, The Meaning Revolution ou Liderança e Propósito:

“Um barco movido pelo vento flui em harmonia com as forças naturais.

Uma empresa que avança pela via da autoridade formal é como um barco a remo. Já aquela que é movida por um propósito transcendente é como um veleiro com vento às costas impulsionando as suas velas”. 

Fonte: https://www.fredkofman.org/sobre-fred-kofman-ing.php

Para resumir e concluir

As políticas de combate ao burnout devem ser levadas a sério e devem estar sempre ligadas à cultura e ao propósito das organizações.

Afinal, não adianta as empresas incentivarem o “selfcare” e o bem estar, igualdade, imparcialidade nas oportunidades, transparência, feedback no progresso do trabalho e na progressão da carreira, metas e objetivos bem definidos e priorizados e, na prática, não estarem verdadeiramente ligadas às pessoas.  

E tu já tiveste ou conheces alguém que teve Burnout?

Já sentiste algum sintoma que despertou a tua atenção? 

Espero que a resposta seja não para ambas questões. 😉 

Autora:

Olivia Santos: https://www.linkedin.com/in/oliviafsantos/

Partilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Descobre todas as formações
que temos disponíveis.

Publicações Semelhantes

Products
Glauco

Estórias de user stories

Durante a minha jornada como solution architect em encontrei várias user stories memoráveis. Umas por bons motivos e outras por motivos…. menos bons. Hoje eu

Ler mais »

Subescrever Newsletter

A sua mensagem foi enviada com sucesso. Obrigado.​