Opportunity Solution Tree na estratégia de negócios

Então malta, tá tudo? 

Bora falar de estratégia de negócios, outcomes, oportunidades e experimentos? Bora!

Muitas pessoas já escreveram sobre a Opportunity Solution Tree da Teresa Torres e não serei eu que vou falar mais do mesmo em minhas palavras. Beleza? Beleza!

Prefiro escrever de como tem sido minha experiência em usar a “árvere” aqui na #firma e os aprendizados que tem sido para “nozes”.

Esse ano (2021) tive a oportunidade de assistir uma talk ao vivo da Teresa em um evento de agilidade mas também li bastantes artigos sobre a árvore de oportunidades e fiquei surpreso com a simplicidade e poder da ferramenta e confesso que ao olhar os “balõezinhos” pensei: “moleza, tiro isso de letra” mas não foi bem assim ao colocar ao praticar, rs.

Eu já falarei mais sobre isso, enquanto eu te passo um pouco mais do contexto….

Um pouco antes de iniciar o ano e voltar a trabalhar na empresa, sentei-me com o chefe (CEO) e desenhamos juntos o draft da estratégia do negócio de 2021, os OKR´s, outcomes e ações para termos ideia do que queríamos validar e trabalhar para o ano.

Ao iniciar o ano refinei e finalizei as algumas questões estratégicas, visão da empresa, visão dos produtos, hipóteses a serem validadas / invalidadas e arregacei as mangas para começar a trabalhar.

E assim foi pelos 7 primeiros meses do ano. Ao longo da jornada fui atualizando as métricas, coletando mais evidências, entendendo melhor o mercado, clientes e outras variáveis e naturalmente visitando a estratégia e roadmap do semestre, que é vivo e orgânico. 

Ao chegar em Julho fez sentido parar e avaliar com mais calma o semestre passado, revisitar a estratégia do ano e ao debruçar sobre o assunto percebi que tinha a oportunidade de trabalhar com técnicas e ferramentas que aprendi durante o ano para ajudar a clarificar dúvidas e ajudar na priorização estratégica das oportunidades que estivessem alinhadas com o nosso outcome e visão de negócio. E assim eu fiz!

Abri o Miro, migrei as informações da nossa visão, estratégia e comecei a atualizar nossos produtos, serviços e chegou um momento que puxei a árvore de oportunidades e comecei a migrar os outcomes, oportunidades, soluções e possíveis experimentos e aí deu “ingrisia na rebimboca da parafuseta.

Os Outcomes foram fáceis de migrar mas ao trabalhar com as oportunidades e soluções confesso que no início teve balão mudando de verde para amarelo e vice-versa.

E a vontade de conectar uma solução / experimento à outra oportunidade, criando uma malha de conexões? Por pouco não fiz isso, hahaha (lembrei da minha época de Analista de Negócio, meus fluxos, BPMN e etc). Foi quase!

Mas a força estava ao meu lado e consegui resistir ao “dark side” de conectar os “balão tudo”. Parei, pensei e avaliei onde eram os maiores pontos de alavancagem e que naturalmente alguns itens poderiam impactar em outros mas que cada um tinha o seu devido lugar.

Pronto! Ao passar pelos primeiros obstáculos os demais itens foram se encaixando, alguns perdendo sentido e outros aparecendo. O cérebro começou a borbulhar de oportunidades para experimentar e se forem validadas, focar em atingir nosso “desired outcome”.

Foi muito bom confirmar como os produtos e serviços tem similaridades, individualidades e que todos estão diretamente conectados aos outcomes esperados (e não é dinheiro).

Utilizar os produtos e serviços e como combustível para iniciar a árvore de oportunidades foi fundamental para iniciar o trabalho, mas também para deixar tanto a árvore como os produtos mais “Lean” pois alguns itens foram descartados e outros ajustados.

E foi no finalzinho da construção da árvore que veio um mega insight para quem sabe, algo novo que vamos criar. Que poder tem essa ferramenta, em ter algo visível, estruturado mas principalmente direcionado aos outcomes e oportunidades para o negócio e nossos clientes!

A ideia veio, imediatamente abri uma nova “frame” no miro, comecei a criar post its a “torto e a direita” e em um dado momento chamei o Nicolau para discutir não somente sobre a nova ideia mas sobre tudo que tinha sido feito. Ele entrou no Zoom, abrimos o quadro e começamos a ajustar, melhorar, descartar itens com foco na nossa visão estratégica e outcomes esperados. Que lindo!!! Que momento!

O board ficou pronto, a árvore está linda, cheia de frutos que podem (ou não) satisfazer nossos anseios. Mas não paramos por aí. Conversamos com a equipa e nosso MKT, explicamos o racional, fizemos mais ajustes, priorizações e saímos com um draft do plano de ação, mas um dos itens mais importantes que está no top 1 da lista é a nova idéia. Ahh essa ideia! Certeza que ela vai dar resultados que queremos, certo? roonnnnc! 📢

Que certo o que? É só uma boa ideia, mas quem disse que ela “flipa”? Rá! Te peguei nessa não foi? Achou que iríamos sair executando a ideia para depois de pronto, saber se deu bom ou não. Tá doido? rs

Antes de começar a “tarefar”, estamos rodando pesquisas para validar (ou invalidar) a ideia (hipótese), conhecer mais sobre o possível produto/serviço, entender mais as perspectivas da comunidade para ao final das pesquisas, tirarmos nossas conclusões e decidir se avançamos ou não com a mesma. Mais alguns dias terminaremos isso e está mais claro para nós os próximos passos, sejam eles quais forem.

O ponto mais importante dessa jornada toda, foi que ao começar a utilizar novas técnicas e práticas, nossos cérebros começaram a se condicionar a pensar de outra maneira, gerando insights e da forma que está estruturado, ficou mais claro de olhar nossa estratégia, outcomes, oportunidades e conversar sobre isso tudo para priorizar experimentos, validação de hipóteses e traçar planos de ação para tracionarmos.

Essa jornada de utilizar novas abordagens tem sido um “game changing” em nosso dia a dia aqui na firma ao praticar algo novo, estamos fortalecendo o conhecimento, ajustando a teoria à prática, criando cases mas também tem resultando em outcomes muitos bons para nós, nossos colaboradores, alunos e clientes.

Em breve teremos mais notícias com os resultados das pesquisas e validações que estão a acontecer mas 1 coisa é certa: acho que vai dar bom 😂👊🏻

E para terminar, queria saber de vocês o seguinte: Você também tem praticado algo novo? Tem dado certo? Tem aprendido com esses experimentos?

Se puder, poste nos comentários seus experimentos, que ficarei feliz em saber qq tá rolando por ai… 🥼🔬🧪

Nos vemos em breve.

Bora lá!!!

Referências:

Revisão e Colaboração: José Nicolau

Partilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Descobre todas as formações
que temos disponíveis.

Publicações Semelhantes

agile
José Nicolau

Qual a melhor Ferramenta?

Têm me posto esta questão: qual a melhor ferramenta ou qual a melhor ferramenta ágil? Ferramentas ágeis são como as métricas ágeis…. são apenas ferramentas

Ler mais »

Subescrever Newsletter

A sua mensagem foi enviada com sucesso. Obrigado.​